Como alinhar a política de remuneração e benefícios de uma empresa?

política de remuneração e benefícios
7 minutos para ler

Contratar bons profissionais está cada vez mais difícil. No entanto, existem estratégias que podem tornar a sua empresa um local desejado pelos melhores talentos disponíveis. Por isso, resolvemos ajudar você a entender o que é uma política de remuneração e benefícios e como criar uma que seja realmente atrativa.

Para atrair e reter verdadeiros talentos que sejam diferenciais, é preciso investir em aspectos que a concorrência deixa a desejar. A remuneração é um dos fatores mais importantes no momento de escolher um novo emprego. Sendo assim, a sua empresa deve estar preparada para realizar ofertas irrecusáveis e devidamente alinhadas com aquilo que valoriza.

Se você não faz ideia de como concretizar isso, não se preocupe. Neste post, você vai entender exatamente o que é a política de remuneração e benefícios, como propor diferentes modelos e, finalmente, a importância de alinhar essa prática à estratégia da empresa.

Ficou curioso? Então, continue conosco e tenha uma ótima leitura!

O que é uma política de remuneração e benefícios?

Existem diversas formas utilizadas pelas empresas para manifestar o valor percebido em seus funcionários. Dentre elas, o salário e os benefícios são algumas das mais eficazes. Muitas vezes, são esses fatores que determinam a permanência ou a evasão de um colaborador.

Por isso, é essencial estar atento para garantir uma boa política de remuneração e benefícios. Mas o que isso significa exatamente? Significa que o setor de Recursos Humanos, com os líderes de cada setor, deve elaborar um mecanismo que determine quanto um funcionário deve receber, de acordo com:

  • o seu cargo e as funções inerentes a ele;
  • o nível de responsabilidade que ele possui sobre outros colaboradores;
  • a prática dos concorrentes;
  • a sua qualificação.

Entre outros critérios, são essas informações que irão compor a contribuição com a qual a empresa se propõe a arcar em troca dos serviços prestados. Entretanto, não se trata apenas de um gasto assumido, mas de um investimento na atração e captação dos melhores profissionais disponíveis.

Como propor diferentes políticas de remuneração e benefícios?

A remuneração é composta por todos os pagamentos de cunho financeiro que um profissional recebe pelos serviços prestados a uma empresa. Para serem competitivas nas suas ofertas, as organizações desenvolvem diferentes métodos de definição para as suas políticas de remuneração e benefícios.

Entre elas, estão a remuneração:

  • funcional — definida com base nas condições financeiras da empresa e na remuneração praticada no mercado, considera os cargos assumidos na organização;
  • por competência — avalia os conhecimentos, habilidades e atitudes necessários para ocupar determinado cargo, portanto o seu critério central é a qualificação das pessoas;
  • variável — vincula o desempenho do colaborador à recompensa, sendo ideal para conservar os talentos e estimular o alcance de objetivos e o desenvolvimento de competências;
  • estratégica — avalia a produtividade do profissional e o retribui em forma de comissões, participação nos lucros e outros;
  • por habilidades — os aumentos salariais são vinculados ao desenvolvimento de aptidão e habilidades certificadas, não sobre o tempo na função.

Independentemente da abordagem adotada, a empresa precisa ter muito claro e ao acesso de todos o modo como funciona a sua política de remuneração e benefícios. Dessa maneira, esse aspecto poderá ser um bônus no momento de atrair e captar talentos.

Depois de decidido o método pelo qual a empresa remunerará suas equipes, é preciso seguir alguns passos que garantirão o seu sucesso. Confira a seguir.

Defina os cargos e suas funções

Seja qual for o tipo de remuneração adotado, é preciso realizar uma definição dos cargos e suas funções. Isso é importante por várias razões, incluindo que o próprio colaborador saiba o que é esperado dele e que a empresa tenha subsídios para cobrar seu desempenho.

Também é essa definição que pontuará as habilidades e requisitos essenciais para o preenchimento da vaga e execução das tarefas. A partir disso, serão pensadas as estratégias de concessão de benefícios.

Conhecer os cargos e as funções, exige uma parceria direta do RH com os responsáveis por cada setor, como os coordenadores ou gerentes. Além disso, é interessante ouvir os próprios colaboradores para alinhar se o que está sendo exigido é o mesmo que está sendo cumprido na função.

Compare as remunerações do mercado

Com um mapeamento eficiente dos cargos e funções da empresa, é possível elaborar uma pesquisa de mercado e comparar as remunerações exercidas no mesmo segmento. Com isso, fica mais fácil entender o que tem funcionado para a concorrência e, de fato, atraído os profissionais.

Dessa forma, é possível realizar um levantamento com informações sobre atribuições, tempo de serviço, salário inicial e atual, benefícios e outros. Com esses dados, a empresa passará a ter parâmetros para definir uma política de remuneração competitiva e atrativa.

Estabeleça prazos e metas

Estratégias de remuneração precisam ser compostas de ações que devem ser tomadas para tornar viável a sua realização. Do mesmo modo, essas ações precisam ter prazos definidos para serem cumpridas.

Sendo assim, a empresa precisará estabelecer as datas em que comunicará para os colaboradores sobre cada etapa e sobre as regras da política de remuneração e benefícios adotada. Também terá que definir as fases de avaliação dos colaboradores para mensurar seus resultados atuais e, posteriormente, acompanhar seu desenvolvimento.

Calcule o orçamento disponível

Validar a nova política de remuneração e benefícios exige um planejamento consistente, sobretudo acerca do orçamento disponível. Assim, a empresa precisa se certificar de que possui condições financeiras de arcar com a implementação e com a manutenção das novas remunerações. Elas precisam ser sustentáveis em longo prazo.

Também é importante calcular o potencial retorno sobre esse investimento. Em alguns casos, isso inclui:

  • melhor produtividade;
  • maior capacidade criativa;
  • novos projetos, produtos ou serviços;
  • qualificação dos processos internos;
  • motivação e engajamento dos colaboradores.

Qual a importância de alinhar a política de remuneração e benefícios à estratégia da empresa?

Tão importante quanto definir uma política de remuneração e benefícios é alinhar isso tudo à estratégia empresarial. Portanto, não adianta adotar uma política exercida pela concorrência se o seu objetivo é diferente dos dela, por exemplo.

O gestor deve entender os objetivos do negócio e compreender a importância da retenção de determinados talentos para o seu cumprimento. Só a partir disso será possível escolher o melhor método de remunerar as equipes.

Por fim, para alinhar a política de remuneração e benefícios à estratégia organizacional é importante estar atento a alguns fatores, como:

  • entender o direcionamento do negócio e as metas que ele visa alcançar;
  • entender o direcionamento e as metas específicas do RH;
  • formular um plano de ação para organizar o trabalho e se comunicar assertivamente com a equipe;
  • verificar com a diretoria se o plano proposto está realmente alinhado à estratégia da empresa;
  • monitorar os resultados e ajustar detalhes que os tornem mais eficientes.

Neste texto, você viu o quanto uma remuneração atrativa e estratégica pode contribuir para a competitividade de uma empresa. Ela pode atrair e reter os melhores profissionais, implicando no desenvolvimento do capital intelectual do negócio.

Agora que você já sabe como propor a melhor política de remuneração e benefícios para a sua empresa, que tal continuar ampliando o seu conhecimento? Saiba como conquistar o engajamento dos seus funcionários!

225 Views
Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-